Filosofia moral e limites argumentativos: a literatura como meio transformador da consciência moral

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Félix Flores Pinheiro

Resumo

Recentemente, duas discussões em vêm ganhando destaque em filosofia moral. Por um lado, a visão de moralidade e de filosofia moral presente nas abordagens tradicionais desde a modernidade, como por exemplo as teorias da obrigação moral, tem sido posta em dúvida desde o diagnóstico de Anscombe (1958) de que a mesma não cumpre os seus propósitos. Por outro lado, com os desenvolvimentos dos estudos em filosofia da mente e em ciência cognitiva, parte da literatura da área tomou o conceito de “consciência moral” e as questões que estão relacionadas ao mesmo como tópico central. Neste artigo, tais abordagens são relacionadas através das considerações sobre os limites do âmbito argumentativo e da busca por meios não argumentativos de proceder em filosofia moral, oferecendo a literatura como um meio para tal.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
PINHEIRO, Félix Flores. Filosofia moral e limites argumentativos: a literatura como meio transformador da consciência moral. Revista Opinião Filosófica, [S.l.], v. 8, n. 2, p. 463-480, jan. 2018. ISSN 2178-1176. Disponível em: <http://periodico.abavaresco.com.br/index.php/opiniaofilosofica/article/view/816>. Acesso em: 18 out. 2018.
Seção
Varia