Lênin e a unidade dialética na teoria do partido e da revolução

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

André Koutchin

Resumo

O objetivo geral de nosso artigo é o de verificar nossa hipótese preliminar, fundamentada nos estudos de Hector Benoit, de que, longe de uma ruptura definitiva, explícita e radical, de um primeiro leninismo “pré-dialético” (antes de 1914) e de um segundo leninismo “dialético” (após 1914), existe unidade permanente (lógico-histórica) na teoria de partido e na estratégia do programa revolucionário em Lênin, desde as palavras aparentemente burocráticas de O Que Fazer? e Um passo em frente, dois passos atrás, até as palavras libertárias pronunciadas às vésperas da insurreição de 1917; desde a ditadura democrática do proletariado e dos camponeses (defendida em Duas Táticas) até o poder aos sovietes (sintetizadas a partir de suas célebres Teses de Abril, por sua vez, desenvolvidas com o auxílio de seus estudos contidos nos Cadernos). Nossa orientação metodológica não leva em consideração somente o conteúdo filosófico de algumas obras específicas, como também o de suas circunstâncias histórico-biográficas e o de suas consequências políticas. Assim, concluímos que ao não ignorar O Capital de Marx e avançar a sua compreensão sobre Hegel (e a dialética) em um momento histórico crítico, Lênin fortaleceu sua teoria do partido e da revolução.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
KOUTCHIN, André. Lênin e a unidade dialética na teoria do partido e da revolução. Revista Opinião Filosófica, [S.l.], v. 8, n. 2, p. 251-278, jan. 2018. ISSN 2178-1176. Disponível em: <http://periodico.abavaresco.com.br/index.php/opiniaofilosofica/article/view/804>. Acesso em: 25 jun. 2018.
Seção
Artigos