Pólis, eticidade e intersubjetividade Fundamentos da crítica hegeliana do contratualismo moderno

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Tomás Jobin Coutinho Lopes

Resumo

O presente artigo tem como objetivo demonstrar como o conceito grego de pólis, mormente na descrição operada por Aristóteles em seu tratado sobre política, foi utilizado pelo jovem Hegel em sua crítica ao contratualismo moderno. Pretende-se elucidar em que aspecto a noção de pólis pôde ser explorada pelo autor em sua concepção sobre eticidade, destacando a intersubjetividade como característica central da teoria política de Hegel em seus escritos de Jena.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
LOPES, Tomás Jobin Coutinho. Pólis, eticidade e intersubjetividade. Revista Opinião Filosófica, [S.l.], v. 8, n. 1, p. 392-403, ago. 2017. ISSN 2178-1176. Disponível em: <http://periodico.abavaresco.com.br/index.php/opiniaofilosofica/article/view/745>. Acesso em: 17 dez. 2017.
Seção
Dossiê