A condição pós-universalista e o alcance da fundamentação Um ensaio sobre o limite da modernidade

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Leno Francisco Danner Fernando Danner Agemir Bavaresco

Resumo

A partir da reconstrução do modelo normativo de modernidade cultural europeia idealizado por Habermas como base de sua teoria da modernidade, criticamos sua proposta de colocar esse modelo normativo de modernidade cultural europeia como paradigma epistemológico-moral universalista e como projeto integrativo cosmopolita, que serviria como guarda-chuva normativo dos contextos culturais particulares. A partir do desenvolvimento do conceito de condição pós-universalista, procuraremos defender que a modernidade cultural europeia não tem condições de sustentarse como paradigma da crítica, do enquadramento e da integração válido para todos os contextos, posto que não se pode separar esse modelo idealizado de modernidade em relação à colonização travestida de racionalização cultural e levada a efeito via globalização econômico-cultural. Nosso argumento consiste em que a racionalização cultural enquanto possibilitando o universalismo, cerne do modelo normativo de modernidade cultural europeia reconstruído por Habermas, leva à assimilação e à deslegitimação dos contextos culturais particulares, considerados por ele como incapazes de gerar uma postura universalista, legitimando de maneira direta a prossecução totalizante da modernidade para além de si mesma, como juiz, guia e projeto societal superiores, exatamente devido à sua cultura descentrada e às suas estruturas de consciência moral universalistas.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
DANNER, Leno Francisco; DANNER, Fernando; BAVARESCO, Agemir. A condição pós-universalista e o alcance da fundamentação. Revista Opinião Filosófica, [S.l.], v. 8, n. 1, p. 73-130, ago. 2017. ISSN 2178-1176. Disponível em: <http://periodico.abavaresco.com.br/index.php/opiniaofilosofica/article/view/731>. Acesso em: 17 dez. 2017.
Seção
Artigos