O Mal Político: uma Análise do Relato Arendtiano acerca da Banalidade do Mal

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Andyara Letícia de Sales Correia

Resumo

Este artigo será desenvolvido com base no pensamento de Hannah Arendt sobre o mal, dividido em mal radical e banalização do mal (mal político). O mal radical é baseado nos sistemas totalitários e seus mecanismos de dominação, como a propaganda, a transformação do homem em coisa (supérfluo), a ideologia e o terror. O mal sem precedentes praticado pelos sistemas totalitários foi denominado de “mal radical”, mas depois foi abandonado para a utilização do termo “banalização do mal”. A banalização do mal é utilizada para explicar o mal sem raízes ou sem profundidade, cometido não por um agente maligno ou diabólico, mas incapaz de pensar ou questionar as ordens. A sociedade massificada precisa implantar mecanismos de valorização do pensamento e agir político, como forma de não deixar o sistema totalitário ou uma nova forma de totalitarismo, ser implantada na sociedade.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
CORREIA, Andyara Letícia de Sales. O Mal Político: uma Análise do Relato Arendtiano acerca da Banalidade do Mal. Revista Opinião Filosófica, [S.l.], v. 7, n. 2, p. 170-181, mar. 2017. ISSN 2178-1176. Disponível em: <http://periodico.abavaresco.com.br/index.php/opiniaofilosofica/article/view/693>. Acesso em: 18 ago. 2017.
Seção
Dossiê