Quando a Escuridão Aparece: Visão, Pensamento e Contradição na Ciência da Lógica de Hegel

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Ryan Johnson

Resumo

Este é um conto sobre visão, pensamento e contradição, bem como sobre o papel que desempenham na primeira metade da Ciência da Lógica de Hegel. A Lógica começa com uma descida, nesse caso, uma queda do Ser ao Nada. Posteriormente, aproximadamente na metade de cada texto, há um certo paradoxo em que tudo está em jogo, a categoria da contradição. Nesse exato momento, o pensamento ao mesmo tempo falha e é renovado em um viés especulativo. Nessa seção, nos debruçamos sobre algumas das interpretações influentes do uso hegeliano da contradição. Para isso, voltamo-nos a uma curiosa obra de arte, Pleiades, de James Turrell, como um exemplo estético dessa primeira queda. Progrediremos, então, através do texto com pensamento e visão como nosso duplo norteador em um passo relativamente rápido, sem desacelerar até encontrarmos a história de Hegel da contradição, onde mostro a natureza explosiva da contradição. Isso nos permitirá ver como Hegel invoca o poder da contradição para gerar a segunda metade da história da Ciência da Lógica. Eu começo com a descida do Ser ao Nada, o momento em que a escuridão emerge

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
JOHNSON, Ryan. Quando a Escuridão Aparece: Visão, Pensamento e Contradição na Ciência da Lógica de Hegel. Revista Opinião Filosófica, [S.l.], v. 6, n. 2, fev. 2017. ISSN 2178-1176. Disponível em: <http://periodico.abavaresco.com.br/index.php/opiniaofilosofica/article/view/684>. Acesso em: 22 maio 2019.
Seção
Artigos