O problema da metafísica em Kant e Hegel: Duas Investigações Sobre o Incondicionado

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Marloren Miranda

Resumo

Kant, em sua Crítica da Razão Pura, toma para si a tarefa de colocar a metafísica no caminho seguro da ciência. Era preciso, segundo Kant, não apenas seguir o modelo das outras ciências, como a matemática e a física, e alterar o método pelo qual se fazia metafisica, mas igualmente questionar a possibilidade da nossa capacidade cognitiva de conhecer os objetos dessa ciência, objetos dados pela razão pura, a saber, Deus, a imortalidade da alma e a liberdade, ou, em outras palavras, as unidades sintéticas incondicionadas de todas as condições em geral. Para Kant, apenas com a razão pura teórica, é impossível, para nós, conhecer o incondicionado, uma vez que sua natureza é pratica. Hegel, por sua vez, seguindo os passos da revolução kantiana, pretendeu considerar o incondicionado não mais como algo que transcende ao nosso conhecimento teórico e que deveria ser tomado como uma hipótese, mas como algo que é imanente ao conhecimento e que deve ser puramente investigado, a saber, o absoluto. Era preciso redefinir a noção de ciência da perspectiva filosófica e, a partir disso, reformular seu método. O objetivo deste trabalho é, então, investigar como, nestes termos, Hegel reformula o problema do incondicionado e, assim, da própria metafísica.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
MIRANDA, Marloren. O problema da metafísica em Kant e Hegel: Duas Investigações Sobre o Incondicionado. Revista Opinião Filosófica, [S.l.], v. 6, n. 2, fev. 2017. ISSN 2178-1176. Disponível em: <http://periodico.abavaresco.com.br/index.php/opiniaofilosofica/article/view/683>. Acesso em: 05 jul. 2020.
Seção
Artigos