A Abertura da Lógica de Hegel e o Possível Mundo Vazio

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Marco Simionato

Resumo

Nesse papel, tentarei mostrar que uma leitura da lógica de Hegel baseada em mundos possíveis, particularmente da rejeição de um mundo possível absolutamente vazio poderia fornecer a confirmação da tese hegeliana de acordo com a qual a noção de ser puro (Sein, reines Sein) implica a noção de ser determinado (Dasein). Na seção 1, eu retomo o desenvolvimento hegeliano do ser puro ao ser determinado através da interpretação de Stephen Houlgate da abertura da lógica de Hegel. Na seção 2, eu retomo brevemente a noção de mundo possível. Na seção 3, tento conceber a supracitada implicação hegeliana através dos mundos possíveis e através da substituição da autocontradição do vir-a-ser (Werden) com a rejeição de um mundo vazio e argumento que tal operação respeita fundamentalmente a dialética hegeliana. Nas seções 4-8, analiso algumas objeções possíveis a minha tese e argumento que substituir a categoria do devir com a noção de mundo vazio melhora o projeto de Hegel de um começo sem pressuposições.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
SIMIONATO, Marco. A Abertura da Lógica de Hegel e o Possível Mundo Vazio. Revista Opinião Filosófica, [S.l.], v. 6, n. 2, fev. 2017. ISSN 2178-1176. Disponível em: <http://periodico.abavaresco.com.br/index.php/opiniaofilosofica/article/view/669>. Acesso em: 05 jul. 2020.
Seção
Artigos