A Phenomenology of Capital

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Christian Schmidt

Resumo

O artigo aborda a questão da metodologia que Marx utilizou em O Capital. A hipótese é que Marx utiliza a Fenomenologia do Espírito de Hegel como paradigma, em vez da Ciência da Lógica, como se acredita. O argumento discerne a fenomenologia do século 19 a partir da compreensão atual, moldada por Husserl. Além disso, eu remeto a ideia de uma fenomenologia em economia de volta ao círculo dos jovens hegelianos em torno de Proudhon. No entanto, o argumento é conclusivo apenas por um olhar mais atento ao uso que Hegel e Marx fazem dos níveis distintos de abstração dentro de suas respectivas exposições. O artigo demonstra especialmente os paralelos no início de ambos os livros e a forma como os seus autores avançam de um nível para o outro. Em contraste com as abordagens atuais que empregam a Ciência da Lógica como paradigma, eu saliento a especificidade que os objetos de investigação exibem em seus níveis particulares de abstração. Exemplos são a diferença de valores e preços de mercado e a discriminação entre capitais em geral e capital como um de muitos capitais em competição.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
SCHMIDT, Christian. A Phenomenology of Capital. Revista Opinião Filosófica, [S.l.], v. 7, n. 1, fev. 2017. ISSN 2178-1176. Disponível em: <http://periodico.abavaresco.com.br/index.php/opiniaofilosofica/article/view/645>. Acesso em: 14 dez. 2018.
Seção
Artigos