Conceito, juízo e silogismo: Introdução à lógica do conceito de Hegel

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Christian Iber

Resumo

O que é um conceito no sentido de Hegel é, atualmente, algo praticamente desconhecido. Como exemplo de um conceito, a Filosofia Moderna da Linguagem apresenta aproximadamente o conceito de pílula anticoncepcional. Nenhuma mulher, nem mesmo uma admiradora da dialética, compreenderia, por exemplo, se, no médico passando a receita, o conceito de pílula anticoncepcional começasse a correr e no farmacêutico transmutasse no seu oposto. Ninguém admitiria que com os conceitos fundamentais de nossa vida joga-se de tal maneira (Wilhelm E. Essler). A crítica à doutrina hegeliana do juízo, que se tornou uma repreensão standard, reza que ele confundiria a cópula com a identidade: A parte da dialética de Hegel parece geralmente repousar no equívoco de dois significados da palavra é (Bertrand Russel). E, em relação à doutrina de Hegel do silogismo, o hegeliano Vittorio Hösle chega à seguinte averiguação fulminante: Em medida ainda mais alta do que a lógica do juízo de Hegel, sua lógica do silogismo tem que valer como ultrapassada. Este artigo objetiva iluminar o sentido racional e o conteúdo crítico da teoria de Hegel do conceito, do juízo e do silogismo.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
IBER, Christian. Conceito, juízo e silogismo: Introdução à lógica do conceito de Hegel. Revista Opinião Filosófica, [S.l.], v. 3, n. 2, fev. 2017. ISSN 2178-1176. Disponível em: <http://periodico.abavaresco.com.br/index.php/opiniaofilosofica/article/view/472>. Acesso em: 30 mar. 2020.
Seção
Artigos