O consórcio boa vontade - dever no diagnóstico moral kantiano dos percursos da razão comum

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Mateus Weizenmann

Resumo

Na Fundamentação da Metafísica dos Costumes, ao diagnosticar os caracteres morais que se apresentam à razão comum, Kant traça a íntima relação entre as disposições do sujeito, sob a forma do conceito de boa vontade, e a capacidade de estabelecer um critério objetivo para a esfera da ação, que destaca sob a forma do conceito de dever. Através destes conceitos, o filósofo dá início à caracterização de uma ética universal e deontológica que, entretanto, não subsiste unicamente por este consórcio, à medida que o conhecimento do bom não implica necessariamente sua execução. Com esta ressalva Kant exige, portanto, a interposição da filosofia para o estabelecimento de um critério mais seguro ao agir, o que implica que os conceitos de boa vontade e dever não determinem cabalmente sua ética, mas através deles se descortinem as elucubrações iniciais, ou pontos de partida, que se completam com a ereção do imperativo categórico. No presente artigo são discutidos os conceitos elementares da razão comum e a mútua vinculação que estabelecem para compor a moralidade na perspectiva kantiana.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
WEIZENMANN, Mateus. O consórcio boa vontade - dever no diagnóstico moral kantiano dos percursos da razão comum. Revista Opinião Filosófica, [S.l.], v. 4, n. 1, fev. 2017. ISSN 2178-1176. Disponível em: <http://periodico.abavaresco.com.br/index.php/opiniaofilosofica/article/view/226>. Acesso em: 02 jul. 2020.
Seção
Artigos