Kant e os sentidos da prudência: uma abordagem política

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Noêmia de Sousa Chaves

Resumo

O princípio da prudência, em Kant, apresenta uma diversidade de significados, ao contrário da moral que apresenta apenas um. Nesta diversidade, lançaremos luzes ao papel da prudência no contexto da filosofia política kantiana. Por um lado, apresentaremos a prudência em sentido estreito, que identificaremos com a busca pelo bem-estar e pela felicidade pessoal; por outro lado, a prudência em sentido largo, a qual se relaciona com o cosmopolitismo ou o bem e o progresso da espécie humana como um todo. No primeiro momento dessa exposição, localizaremos a prudência no sistema kantiano entre a destreza e a moral; em seguida, exporemos a relação da felicidade pessoal, não com o Estado nem com a moral, mas com a natureza; por fim, apresentaremos o conceito de felicidade traduzido no cosmopolitismo, com o objetivo de defendermos que o Estado, por seu caráter personalista, deveria ser o lugar da síntese política-moral e não de tal dualismo.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
SOUSA CHAVES, Noêmia de. Kant e os sentidos da prudência: uma abordagem política. Revista Opinião Filosófica, [S.l.], v. 2, n. 2, fev. 2017. ISSN 2178-1176. Disponível em: <http://periodico.abavaresco.com.br/index.php/opiniaofilosofica/article/view/132>. Acesso em: 05 jul. 2020.
Seção
Artigos